LIGHT STEEL FRAMING

Diante do crescimento populacional e dos avanços tecnológicos, a indústria da construção civil no mundo tem buscado sistemas mais eficientes de construção com o objetivo de aumentar a produtividade, diminuir o desperdício e atender a uma demanda crescente. No Brasil, a construção civil ainda predominantemente artesanal, caracterizada pela baixa produtividade e, principalmente, pelo grande desperdício. Porém, o mercado tem sinalizado que essa situação deve ser alterada e que o uso de novas tecnologias é a melhor forma de permitir a industrialização e a racionalização dos processos. Nesse aspecto, a utilização do aço na construção civil vem aparecendo como uma das alternativas para mudar o panorama do setor.

Um aspecto importante é que a utilização de sistemas construtivos com aço, demanda profissionais preparados e projetos detalhados e integrados, que minimizam perdas e prazos na construção. Uma ação indutora para maior utilização de sistemas construtivos em aço é o acesso à informação de qualidade, direcionada aos profissionais envolvidos.

O Light Steel Framing (LSF), assim conhecido mundialmente, é um sistema construtivo de concepção racional, que tem como principal característica uma estrutura constituída por perfis de aço galvanizado formados a frio que são utilizados para a composição de painéis estruturais e não estruturais, vigas secundárias, vigas de piso, tesouras de telhado e demais componentes. Por ser um sistema industrializado, possibilita construção a seco com grande rapidez de execução.

Interpretando a expressão “Steel Framing”, do inglês, “Steel = aço” e “Framing”, que deriva de “Frame = estrutura, esqueleto, disposição, construção” (Dicionário Michaelis, 1987), podemos defini-la como: processo pelo qual se compõe um esqueleto estrutural em aço, formado por diversos elementos individuais ligados entre si, que passam a funcionar em conjunto para resistir às cargas que solicitam a edificação e dão forma a ela. Assim, o sistema LSF não se resume apenas à sua estrutura. Como um sistema destinado à construção de edificações, ele é formado por vários componentes e “subsistemas”. Esses subsistemas são, além de estrutural, de fundação, de isolamento termoacústico, de fechamento interno e externo, e de instalações elétricas e hidráulicas (Consul Steel, 2002).

Para que o sistema cumpra com as funções para o qual foi projetado e construído, é necessário que os subsistemas estejam corretamente inter-relacionados e que os materiais utilizados sejam adequados. Dessa forma, a escolha dos materiais e da mão de obra é essencial para a velocidade de construção e para o desempenho do sistema.

COMPOSIÇÃO DE RESIDÊNCIA COM

LIGHT STEEL FRAME

20180830_171111.jpg

Apesar do Light Steel Framing (LSF) ser um sistema construtivo bastante empregado em países em que a construção civil é predominantemente industrializada, no Brasil, onde prevalece o método artesanal, ainda é pouco conhecido.

Assim, em um primeiro momento, para ajudar a visualizar o LSF, podemos recorrer ao “drywall”, que é amplamente utilizado em vedações internas no Brasil e que, apesar de não ter função estrutural, utiliza perfis galvanizados para compor um esqueleto em que são fixadas as placas para fechamento. A semelhança acaba neste ponto, já que o LSF, como foi definido anteriormente, é um sistema muito mais amplo, capaz de integrar todos os componentes necessários à construção de uma edificação, tendo como o fundamental a estrutura. Na ilustração abaixo, é possível visualizar, esquematicamente, a estrutura e os subsistemas de uma casa em LSF. Basicamente, a estrutura em LSF é composta de paredes, pisos e cobertura. Reunidos, eles possibilitam a integridade estrutural da edificação, resistindo aos esforços que solicitam a estrutura.

Atualmente, com a pluralidade de manifestações arquitetônicas, o arquiteto dispõe de várias soluções para coberturas de seus edifícios. Muitas vezes, a escolha do telhado pode remeter a um estilo ou a uma tendência de época. Independentemente da tipologia adotada, desde a cobertura plana até telhados mais elaborados, a versatilidade do LSF possibilita ao arquiteto liberdade de expressão. Quando se trata de coberturas inclinadas, a solução se assemelha muito à da construção convencional, com o uso de tesouras, porém substituindo o madeiramento por perfis galvanizados. As telhas utilizadas para a cobertura podem ser cerâmicas, de aço, de cimento reforçado com fios sintéticos ou de concreto. Também são usadas as telhas “Shingle”, que são compostas de material asfáltico.